sexta-feira, 9 de julho de 2010

Imigração, Choque Cultural e Saúde Mental

Desde que o mundo é mundo e que a espécie humana habita o planeta Terra, as migrações são fatos comuns e corriqueiros. A própria história da nossa civilização segue o viés das migrações humanas. Os primeiros aventureiros mais audaciosos, saíram do berço Africano para conquistar todos os outros continentes, há cerca de 90 mil anos, e nunca mais pararam. Com isso, foram transformando o nosso lar, chamado Terra, em uma casa de cômodos e, a cada cômodo foi dado um nome. O cômodo que eu morava antes de vir para cá se chama Brasil.

Hoje em dia, no nosso mundo globalizado, as movimentos humanos tomaram proporções nunca antes vistas na história da civilização humana. Estima-se que, por ano, cerca de 190 milhões de pessoas emigram e imigram ao redor do planeta; o número de imigrantes no mundo é mais que o dobro desde 1975; só na Europa são mais de 60 milhões de pessoas que vivem longe de seus países de origem; em 1990, os imigrantes já contavam como mais de 15% da população em cerca de 52 países. E a Organização Internacional de Migração prevê que o crescimento econômico e as políticas cooperativas emergentes entre os países europeus, vão aumentar ainda mais o movimento migratório nos próximos anos. Os países mediterrâneos, juntamente com o Reino Unido e Holanda são os que mais atraem imigrantes não-europeus, ou seja, grupos culturais mais distantes se comparados com o país que os recebe. Isso é um problema porque o contato entre pessoas de culturas diferentes durante o processo de adaptação e integração é tão maior quanto o são suas distâncias culturais.

De todas as mudanças que podem acontecer na vida de uma pessoa, poucas são tão impactantes e complexas quanto as mudanças ocorridas durante um processo de imigração. Praticamente tudo o que cercava o emigrante muda. Aspectos que vão desde alimentação, passando por relações familiares e sociais, idioma, cultura, status pessoal e social e até pelo clima são sujeitos à mudança. Mudar de país é comparável ao processo de luto. E pode-se dizer que o distress no imigrante é ainda pior que o luto por perda de um ente querido, uma vez que o objeto de luto (o país de origem) continua lá: vivo e, muitas vezes, inacessível. E nisso o processo de resolução do luto, nesse caso a integração ou aculturação, pode ser prolongado ou mesmo impossível de acontecer de modo completo.

As pessoas saem de seus países de origem por vários motivos diferentes, mas podemos resumir a imigração como sendo de duas formas: voluntária e involuntária. E já dá para imaginar que o imigrante involuntário, como por exemplo um refugiado de guerra ou asilado político, vai sofrer muito mais com a mudança do que uma pessoa que imigre para estudo, trabalho ou casamento, concordam? E não podemos esquecer dos imigrantes ilegais, que apesar de serem também voluntários, estão dentre os que mais vão ter problemas pelo fato de estarem constantemente preocupados com uma deportação e por terem se enganado em suas expectativas de ‘mudança de vida’. Mas não tem escapatória: todos os imigrantes, independente de seus motivos para deixarem a pátria, vão experimentar o ‘choque cultural’, ou seja, o imigrante vai , por causa do contato com uma cultura diferente, enfrentar problemas relacionados aos vários fatores estressantes que esse tipo de experiência carrega consigo.

O choque cultural foi inicialmente descrito em 1954 e é definido como o sentimento de impotência em lidar com o novo ambiente por causa do desconhecimento dos aspectos cognitivos, culturais e sociais que são estranhos ao indivíduo. Além do intenso stress causado pelas diferenças culturais, a fadiga cognitiva, consequência do excesso de informação, também vai ser importante fator causador de desequilíbrio na saúde psicológica e física do indivíduo. Além da linguagem verbal, a pessoa passa a se preocupar e se concentrar em tarefas que antes eram feitas automaticamente. Isso pode resultar em exaustão mental e emocional, que pode levar a um ‘burnout’. Dores de cabeça e o desejo de se isolar socialmente, especialmente ao fim do dia, são sintomas iniciais comuns.

Um dado consistente de pesquisas mostra que os imigrantes sofrem mais de distress emocional e apresentam saúde mental mais debilitada quando comparados à população nativa. O processo de adaptação à nova cultura é relacionado com maiores níveis de depressão, ansiedade, baixa auto-estima e outros problemas psicológicos. O distress pode causar também problemas orgânicos, relacionados à baixa imunidade, e dores no corpo. A pessoa preocupa-se muito com a saúde e pode sofrer de dores crônicas, por exemplo. Junte-se a isso perda de posição social e profissão que antes eram estáveis e conhecidas e temos uma verdadeira catástrofe emocional formada!

Os problemas de saúde mental são tão evidentes na população imigrante que, recentemente, os pesquisadores propuseram agrupar esse conjunto de sintomas, que se apresentam nas pessoas que imigraram e que têm um nível de stress maior do que suas capacidades de adaptação, na chamada ‘Síndrome do Stress Crônico e Múltiplo do Imigrante’ ou ‘Síndrome de Ulisses’. O manejo dessa síndrome está sendo considerado, em muitos países, como prioridade de saúde pública. Nessa recém-descrita entidade patológica, os imigrantes são afetados por sintomas depressivos de características atípicas, onde a depressão é misturada com sintomas de ansiedade, somatização e sintomas dissociativos. A tristeza é o achado mais comum, muitas vezes acompanhado por choro, culpa, idéias de morte, tensão, irritabilidade, insônia, dores de cabeça, fadiga, problemas de memória e de atenção e desorientação. Em casos mais graves, isso pode levar à quadros psicóticos, com perda de identidade e desorientação de tempo e espaço.

O desenvolvimento dos sintomas ocorre de forma gradual , à medida que o imigrante enfrenta problemas como viagem turbulenta e difícil, distância de seu ambiente e familiares, dificuldades de arrumar emprego e de suprir as necessidades básicas, achar moradia e regularizar os documentos. O racismo sofrido no país hóspede também é um fator desencadeante do processo.

Normalmente os problemas acontecem nos primeiros 12 meses, mas imigrantes que se adaptaram mais fácil e rapidamente, também correm risco de sofrer de ‘Síndrome da Depresão Postergada’ , que acontece cerca de 2 a 3 anos após a chegada do imigrante que parecia adaptado, com emprego, falante do idioma , com rede de amizade e moradia estabelecidas.

Na Holanda, um dos poucos países com dados sobre níveis de saúde física e mental em grupos de imigrantes comparado com nativos, é sabido que o primeiro grupo sofre mais de depressão, abuso de drogas, tentativas de suicídio, esquizofrenia e desordens psiquiátricas de menor importância que a população local. Além disso, a barreira cultural, sócio-econômica e de linguagem são fatores limitantes na procura de orientação profissional por parte de vários grupos de imigrantes. Em um estudo em escolas, também foi constatado que professores turcos imigrantes foram capazes de detectar altos níveis de de ansiedade e depressão entre crianças imigrantes de mesma nacionalidade. Esses problemas tinham passado desapercebidos pelo professores holandeses. Existe, portanto, uma necessidade de profissionais bilíngues e biculturais para o atendimento específico desses problemas. Mas como no país dos tamancos, especialmente na última década, a integração cultural é tratada como ‘assimilação’, ou seja, a cultura holandesa é imposta sem considerar as necessidades dos imigrantes, estamos em maus lençóis!

O primeiro passo para vencer o problema é aceitar que o choque cultural é normal em um ambiente cultural diverso e que existem maneiras de amenizá-lo e de fazer com que a adaptação ocorra mais tranquila e gradualmente. E como fazer para facilitar todo esse processo? Veja abaixo algumas dicas:

1. Reconhecer que a adaptação à uma nova cultura, também chamada de ‘aculturação’, é o processo de contrução de um novo ‘EU’, resultado do casamento do ‘EU’ antigo com algumas mudanças de hábitos sociais e cuturais. Não é preciso e nem saudável assimilar completamente a cultura do novo país. Uma sinergia de valores, hábitos e comportamento social seria o ideal;

2. Procure manter contato com os familiares e amigos de seu país. Arme-se de tecnologia: skype, emails, MSN e outras ferramentas modernas são válidas;

3. Tente cozinhar pratos típicos uma ou duas vezes por semana em casa. E você não é obrigado a gostar de comer pão de grãos com queijo e sopa no almoço todos os dias;

4. Faça visitas a seu país sempre que for possível, mas esteja consciente de que a volta pode ser difícil, mas que vai passar (de novo);

5. Mantenha contato com seu idioma através de TV por assinatura ou internet, amigos de mesma nacionalidade e leitura de livros, revistas e notícias em português. Mas cuidado! Não se isole nisso e tenha também contato com imigrantes de outras nacionalidades e holandeses;

6. Tente ver a experiência de imigrar de forma positiva, como uma oportunidade de aprender e de ganhar coisas igualmente positivas;

7. Tenha em mente que o problema não é especificamente desse país, mas sim do choque cultural, o que aconteceria em qualquer outro lugar;

8. Não encare como vergonha o fato de resolver voltar para casa. Encare como coragem, pois o choque de re-entrada pode ser de maior intensidade, embora de menor duração;

9. Não hesite em procurar ajuda psicológica, caso veja que as coisas não estão indo bem. E, se possível, tente achar um profissional que esteja familiarizado com problemas de grupos imigrantes.

Espero, sinceramente, caros leitores, que esse texto tenha sido útil. E hoje em dia, embora eu ainda sofra com as fases do choque cultural, tenho cada vez mais a certeza de que meu país se chama Terra. E o seu, como se chama?

Adriana Mattos, em 08/05/2010.

12 comentários:

Maria Tereza disse...

Adorei seu texto. Me identifiquei muito. Pois já passei pelas duas adaptações: imigração e volta. Faz menos de um ano que voltei da Hungria e ainda me deparo com situações "esquecidas". Depois de 4 anos fora, adquiri algumas características nada brasileiras. Mas estou feliz por ter vivido uma experiência tão rica como o expatriamento. Estou feliz também por ter voltado para o meu comodo chamado Brasil, ou melhor curitiba.
beijos e boa sorte domingo!

Jaboticaba Preta disse...

Me identifiquei totalmente neste post. Obrigada por compartilhar. Beijocas e bom final de semana

Ricardo Azevedo disse...

Achei o texto muito legal e de extrema riqueza, pois muitas vezes as pessoas ao se expatriarem preocupam-se demais com questões burocráticas e se esquecem de pensar a respeito de questões tão fundamentais como as citadas no post. Sou carioca formado em psicologia, e estou indo em breve para Groningen, tentar um mestrado na RUG. Posso dizer desde já que o post está sendo muito útil! Espero poder manter contato quando estiver por ai. Abs !

Tereza disse...

Muito importante esse texto, espero que muitas pessoas se beneficiem dele. Moro em Londres e sofro com essa tal adaptacão.

De fato o isolamento é a pior maneira de amenizar o problema.

bjos e boa semana

Tereza disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Tereza disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
tereza disse...

Desculpa, pode deixar apenas uma mensagem

obrigada

Gabriela disse...

Adriana, amei seu texto! Sabe que pra mim o que mais pegou foi a questão da linguagem. De uma hora para outra, não conseguir me expressar de verdade, foi um baita golpe na minha autoestima. Me sentia como criança, reaprendendo a falar, a agir naquele contexto, naquela cultura, com aquelas pessoas.
Mas sabe, a readaptação no Brasil não foi tão óbvia como imaginava que fosse. A gente muda muito.
Beijo

Zoe disse...

Nossa Adriana, tive todos esses sintomas no começo desse ano, depois que mudei para Amsterdam sozinha. não sabia que era sério isso, achei que estava deprimida, triste, chorona, cansada só porque tinha mudado. Foi feio mesmo! nao quero mais passar por isso.

Susana disse...

Que texto bacana! Vc tem referencias ou algum livro que queira indicar sobre o assunto? Choque cultural é fogo mesmo...e eu acho que ele nao passa nunca!Aff..Bjo

Nadja Saori disse...

Oiiii!!! Adorei seu texto, muito mesmo!Morei um ano fora, já estou de volta ao Brasil, mas ainda viverei outra experiencia como essa.
beijooos

darkgabi disse...

oi tia fófis! =]
descobri hj q vc tinha um blog e já li um monte de coisa.. e gostei mt desse seu texto, q bom q vc resolveu escrevê-lo. eu acho q tive um choque postergado, mas já passou [ou melhorou]. seria tão bom se eu tivesse lido isso há 6 meses!

é bom saber tb q vc ainda tem as suas dificuldades [msm q o post seja de um ano atrás... com ctz não mudou tanto assim] pq faz eu me sentir menos e.t. em ainda ter dificuldades aki e ali. por mais q a gente saiba q é normal etc etc, ver o exemplo, ainda mais de alguém real e palpável, é melhor q ler num livro.

enfim, seus pimpolhos são mt fofos!
bjs!

Que idioma você fala com seu(s) filho(s)?